Planejamento na Logística de Transporte: O que é e como fazer?

Com as constantes transformações no mercado no decorrer dos últimos anos, o mundo corporativo recebeu uma enxurrada de conceitos que, em grande medida, muitos empresários e gestores não fazem ideia de sua metodologia e implementação: planejamento, estratégia, visão estratégica, ações estratégicas, gestão estratégica, processo estratégico, planos e objetivos estratégicos, além de vários outros.

Certamente você já ouviu falar à respeito dessas expressões, mas, de fato, conhece a aplicação prática de cada uma delas? Os termos se confundem, e muitos deles estão inseridos em um mesmo contexto, ou seja, servem de base para estruturar o processo decisório de uma organização.

Independentemente do conceito, é importante compreender qual a forma mais eficaz para superar um problema ou atingir uma situação desejada, seja na empresa ou departamento. Nesse sentido, vamos conhecer no artigo de hoje, a importância do planejamento e como ele se aplica na logística de transporte do embarcador. Confira!

Afinal, o que é Planejamento?

Conceitualmente, é um processo desenvolvido com o objetivo de alcançar uma determinada situação almejada. É a preparação para o alcance dessa condição, que ocorre por meio de um plano bem estruturado, ao gerenciar recursos e tornando-os mais eficientes em sua aplicabilidade.

Os principais fundamentos de um bom planejamento são a definição dos objetivos e a concepção de planos que integram e coordenam atividades que visam atingir esses objetivos. Suas etapas de implementação estão divididas em:

  1. Diagnóstico: fase onde se busca conhecer a realidade em todos os seus aspectos e sua provável evolução – imagem do futuro.
  2. Política: na formulação da política são estabelecidas a finalidade e os objetivos do planejamento – futuro desejado. Na especificação dos objetivos é definido o que se pretende alcançar em um dado horizonte de planejamento.
  3. Programação: refere-se ao detalhamento do conjunto de meios necessários para atingir os objetivos. Se estendem à planos, programas, projetos e atividades, com o levantamento dos recursos indispensáveis à sua prática.
  4. Execução: esta etapa define, organiza e prepara os setores responsáveis pelos programas e atividades com o uso dos meios e instrumentos.
  5. Controle: são estabelecidas as formas de acompanhamento físico e financeiro da execução.

É importante frisar que em todas as fases do planejamento a informação – seja da realidade atual, do cenário desejado e a evolução do processo – é o instrumento mais relevante de que dispõe o responsável pelo projeto.

Planejamento na logística de transporte

Definir objetivos, traçar planos, executar, monitorar e agir sobre os resultados faz parte de uma atuação planejada que pode representar uma importante mudança no ambiente organizacional.

O planejamento na área de transportes do embarcador se torna necessário frente à necessidade constante de: redução de custos; controle de processos; otimização de recursos; atendimento do nível de serviço; integração com outros setores e o mercado; velocidade, flexibilidade e acuracidade das informações.

Fatores como esses denotam como a logística de transporte vem se desenvolvendo, figurando como um dos principais centros de custos das empresas, ampliando as atividades sob seu comando e consolidando sua importância estratégica.

Desse modo, é fundamental que o planejamento de transporte esteja alinhado aos planos da organização, no sentido de contribuir para o alcance dos objetivos. Por exemplo, se a companhia busca aumentar o nível de satisfação dos clientes em relação aos seus produtos e serviços, a logística poderia definir como objetivo setorial a redução do tempo médio de entrega em determinado percentual. Definido o escopo, o gestor precisa identificar quais ações serão tomadas para atingir o propósito. No exemplo em questão, algumas possibilidades seriam:

  1. Usar a tecnologia para gerenciar os prazos e monitoramento de cargas;
  2. Atuar com proatividade nas ocorrências, organizando processos e intervindo em situações críticas de entrega;
  3. Implementar e agir sobre indicadores de eficiência de entrega;
  4. Trabalhar junto às transportadoras para reduzir o tempo de entrega (monitoramento, tecnologia, informações integradas e em tempo real);
  5. Identificar no mercado novas opções de transporte que atendam com menor tempo de entrega, avaliando a relação custo-benefício; entre outras.

Por fim, é necessário monitorar as ações, acompanhar os processos internos e externos, além de validar e corrigir a rota sempre que necessário, visando o atingimento do objetivo.

Checklist (como se planejar?)

Ao mesmo tempo em que precisa estar vinculado às estratégias da empresa, o planejamento na área de transporte pode ser considerado como um modelo de gestão proativa, antecipando demandas urgentes e controlando situações críticas da operação. Nessa perspectiva, listamos alguns pontos que merecem ser observados no momento de planejar sua operação de transporte.

Estrutura física/operacional

  1. A estrutura atual, em termos de localização, espaço, segurança e ergonomia atende as necessidades e oferece as condições ideais de trabalho?
  2. É necessário realizar reformas estruturais ou mudanças no layout?
  3. Existe um programa de manutenção preditiva para máquinas e equipamentos utilizados na operação?
  4. É adotado algum controle em relação aos cuidados e condições de uso da frota? (manutenção, documentação, multas, sinistros, seguro, custos, etc.).

Gestão de pessoas/equipe

  1. O número de pessoas no setor é o adequado?
  2. A equipe está engajada e comprometida com os objetivos da empresa?
  3. Existe alguma meta no setor para que possam ser recompensados?
  4. Há um plano de cargos e salários?
  5. A comunicação interna e eficaz? Todos são ouvidos e as opiniões são respeitadas?

Tecnologia e sistemas de gestão

  1. A tecnologia usada atualmente é suficiente e responde com eficácia às demandas da operação?
  2. Existe a necessidade de adotar ou substituir alguma tecnologia/sistema?
  3. Os processos atuais são automatizados por algum meio tecnológico?
  4. A empresa se preocupa e investe em soluções tecnológicas voltadas à logística?

Documentação/legislação

  1. As leis que regulam o setor são plenamente conhecidas/seguidas?
  2. Há alguma exigência legal/ambiental para a movimentação e transporte dos produtos?
  3. A empresa está em situação regular quanto à eventuais normas e documentações que a habilitam para operar? (alvarás, licenças, vistorias, etc.)
  4. O setor é responsável por atender padrões de qualidade e responde em auditorias por algum de seus processos? De que forma é realizado esse controle?

Seguro de transporte de carga

  1. A empresa contrata ou exige de seus transportadores a contratação de seguro de transporte de carga?
  2. É feito algum tipo de análise de viabilidade em relação à contratação de seguro por parte da empresa ou do transportador?
  3. O setor controla a vigência, cobertura e pagamento do seguro das transportadoras contratadas?
  4. Existe controle sobre o processo de indenização em caso de sinistro? (acidente, roubo, avaria, etc.)

Contratação de serviços de transporte

  1. Existe algum estudo em relação ao uso de frota própria ou terceirizada na operação de entrega?
  2. É avaliada a possibilidade de adotar novos modais de transporte e diversificar os canais de distribuição?
  3. Adota-se algum critério na contratação de transportadoras? (seguro, condições da frota, estrutura, consultas/pesquisas, etc.)
  4. As tabelas de frete atuais são validadas e os reajustes negociados?
  5. É feito algum tipo de análise visando identificar oportunidades de redução de custos?

 Processos e gestão

  1. Os processos estão bem definidos e o fluxo está claro para todos os envolvidos?
  2. A equipe segue os procedimentos e conhece exatamente o impacto de suas atividades na empresa?
  3. Existem medidas voltadas ao controle de qualidade e atendimento aos clientes?
  4. São adotados indicadores de desempenho logístico?
  5. A performance das transportadoras é acompanhada regularmente?
  6. Há investimento em treinamento/capacitação da equipe?
  7. A empresa/gestores participam de eventos, buscam se atualizar e ampliar sua rede de contatos?
  8. As inovações e tendências tecnológicas são acompanhadas e avaliada a possibilidade de implementação?
  9. Os processos atuais podem ser automatizados? Qual é o esforço nesse sentido?
  10. São pensadas novas formas de trabalho que otimizem recursos e aumentem a eficiência operacional?

Esses são alguns itens de verificação constante, que visam identificar o cenário atual em busca de uma situação desejada, e que contribuem para aumentar o desempenho da operação e atingir os objetivos da empresa.

Gostou do conteúdo? Deixe seus comentários e aproveite para se cadastrar para receber novos artigos como esse!

Abraços!

Claudionei de Andrade

Claudionei de Andrade

Claudionei de Andrade - Instrutor na LNP Cursos Gerenciais. Graduado em Administração de Empresas, especialista em Gestão Estratégica Empresarial e especialista (MBA) em Logística e Distribuição. Possui experiência profissional na área logística de transportes, armazenagem e gestão de frota.

Website: http://www.logisticanapratica.com.br

2 Comentários

  1. Anastacia manganhela

    muito obrigada sr claudio, ajudou me bastante a exlarecer as minhas duvidas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *