Gestão de Entregas: Impactos e prejuízos para o embarcador que não gerencia suas entregas

Na logística de grande parte das empresas embarcadoras, a Gestão de Entregas vive um paradoxo: ao mesmo tempo em que é um processo extremamente relevante para a conclusão (com sucesso) do ciclo de atendimento do pedido, esbarra em questões internas que impedem que esse controle realmente aconteça e seja efetivo.

Este é um breve alerta sobre uma importante atividade que deveria estar inserida na operação logística dos embarcadores, mas que, infelizmente, muitos ainda não se atentaram:

– Como sua empresa, enquanto fornecedor, faz a gestão de entrega dos produtos vendidos?

– Como sua empresa, enquanto cliente, faz a gestão de entrega dos seus pedidos de compra?

O rastreamento é um processo essencial para a companhia, independentemente da natureza da operação. Dentre vantagens como segurança e planejamento, é por meio dele que se torna possível identificar e atuar proativamente em qualquer ocorrência não prevista no transporte e entrega da mercadoria, evitando assim uma série de transtornos e prejuízos.

No entanto, diante da (falta de) atenção dada ao tema por parte das empresas embarcadoras, as respostas para essas duas perguntas se resumem em:

– “Não vejo isso como algo necessário… Além disso, tenho mais com o que me preocupar”;

– “Não faço acompanhamento de entrega. Quando o cliente liga reclamando, vejo com a transportadora se aconteceu algum problema”;

– “Quando preciso, ligo ou acesso ao site do transportador para saber a posição”;

– “Algumas transportadoras mandam um link com a localização da nota fiscal. Geralmente deleto o e-mail antes mesmo de abri-lo”;

– “Uma vez por mês a transportadora envia um relatório de eficiência de entregas. É por meio dele que faço o controle”;

– “Quando atrasa a entrega de algum insumo/material adquirido pela empresa, o setor solicitante ou responsável pela compra sempre me questiona. Então vou verificar o que houve”.

Percebe que, em absolutamente todos os casos citados acima, as ações são meramente reativas, e quando surtem algum efeito pode ser tarde demais?

Entenda por “tarde demais”:

  1. Ruptura no estoque (resultado: impacto negativo sobre as vendas e custos adicionais de reposição);
  2. Interrupção da linha de produção por falta de matéria-prima (resultado: prejuízo com parada de máquina e mão de obra);
  3. Pagamento de multas e ressarcimento de perdas (resultado: despesas financeiras e desgaste comercial);
  4. Quebra de contrato de fornecimento (resultado: perda de cliente e faturamento);
  5. Desembolso com devoluções, armazenagem, reentregas, etc. (resultado: aumento dos custos logísticos/distribuição).

Essas são algumas das consequências para quem não faz a devida gestão de entregas, seja ela um processo terceirizado (executado por transportadores e operadores logísticos) ou realizado pelo próprio embarcador.

Resumidamente, esses efeitos são sentidos fortemente em três importantes pilares:

Se os reflexos causados pelo baixo nível de gerenciamento atingem tamanha proporção, por que o acompanhamento de entregas é algo inexistente na logística de parte dos embarcadores?

Cultura da urgência, falta de estrutura no setor de Transporte, mão de obra insuficiente e/ou não qualificada, ausência de ferramentas, pouco ou nenhum investimento em tecnologia, demandas mais urgentes, entre outros argumentos costumam justificar a ausência de um olhar mais crítico sobre o assunto. Como resultado, as empresas:

  • Amargam recorrentes prejuízos;
  • Colocam a segurança da carga em risco;
  • Consentem com o famoso “apagar incêndio”;
  • Têm sua marca amplamente exposta a reclamações;
  • Convivem com uma operação vulnerável e sem previsibilidade; e
  • Deixam clientes – internos e externos – sem o posicionamento da mercadoria.

Se você se tem interesse e compreende a dimensão do tema, continue acompanhando os artigos do nosso blog. E não esqueça de informar seu e-mail para receber novos conteúdos sobre Gestão de Entregas em primeira mão.

Forte abraço e até a próxima!

Claudionei de Andrade

 

Claudionei de Andrade

Claudionei de Andrade - Instrutor na LNP Cursos Gerenciais. Graduado em Administração de Empresas, especialista em Gestão Estratégica Empresarial e especialista (MBA) em Logística e Distribuição. Possui experiência profissional na área logística de transportes, armazenagem e gestão de frota.

Website: http://www.logisticanapratica.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *