TMS Embarcador: sua empresa está preparada para implantar um Sistema de Gestão de Fretes?

É inegável que toda empresa que deseja ser competitiva e acompanhar a velocidade do mercado atual precisa ter a tecnologia como base para um crescimento sustentável. Investir em recursos tecnológicos que lhe permitam responder de forma rápida e assertiva é fator determinante nos dias de hoje.

Porém, todo investimento tem riscos!

Neste aspecto, este texto aborda alguns pontos cruciais sobre a decisão de empresas embarcadoras implantarem sistemas de gestão de transporte, e os riscos (leia-se prejuízos) que uma aquisição mal planejada pode causar.

Ficou interessado? Então acompanhe porque tenho uma história interessante pra te contar…

TMS EMBARCADOR: DEVO OU NÃO ADQUIRIR UM SISTEMA DE GESTÃO DE FRETES?

Para responder esta pergunta, uma série de fatores podem ser levados em conta, dentre eles:

  • Valor da conta frete;
  • Volumetria de carga transportada;
  • Dimensão e complexidade da operação;
  • Modelo de contratação de serviços de transporte; e vários outros.

Todas essas variáveis são determinantes para a tomada de decisão do embarcador. Porém, antes de contar com a tecnologia para automatizar processos logísticos, deve-se avaliar se a empresa dispõe da estrutura interna necessária para operacionalizar a ferramenta, entre elas, pessoas.

Este é um erro que muitas companhias ainda cometem – achar que o TMS é autossuficiente – e não consideram que ter uma equipe qualificada é fundamental para atingir êxito no projeto.

Há alguns anos, certo embarcador adquiriu um sistema de gestão de fretes. Na época, a empresa não tinha uma área de Transporte estruturada. Havia somente um colaborador no setor e este se tornou, pelo óbvio, o único usuário do TMS.

Passado um tempo, o funcionário foi substituído e o sistema simplesmente foi “deixado de lado”. Os dados se tornaram obsoletos, o controle que havia antes já não existia mais, e vários processos que estavam automatizados voltaram a ser manuais.

É por essas e outras que todo investimento requer planejamento.

Analisar criteriosamente todo o contexto que envolve o gerenciamento do transporte pode evitar potenciais prejuízos e mal aproveitamento dos recursos, tais como:

  1. Extinguir o uso do sistema por falta de pessoal capacitado;
  2. Adquirir um software incompatível com a necessidade da operação;
  3. Subutilizar um TMS muito robusto (com funcionalidades não aderentes);
  4. Projetos caros e complexos para a realidade do negócio.

No quadro a seguir, acompanhe alguns fatores que você não pode deixar de avaliar quando for buscar uma plataforma de gestão de fretes para sua empresa.

 

Por fim, quer saber o que aconteceu com aquele embarcador citado agora pouco?

Contratou especialistas e terceirizou a Gestão de Transporte.

Os problemas com cobranças indevidas e a ausência de outros importantes controles foram eliminados. Uma nova metodologia de trabalho foi implementada e, agora, a empresa destina foco total em seu negócio.

E por falar em terceirização, na sua opinião, qual o melhor modelo de gestão de fretes para o embarcador: ter uma estrutura própria ou terceirizar o serviço com uma empresa especializada?

Deixe sua opinião na área de Comentários e fique atento porque este será o tema do próximo #NaLata.

Abraço,

Claudionei de Andrade

 

Claudionei de Andrade

Claudionei de Andrade - Instrutor na LNP Cursos Gerenciais. Graduado em Administração de Empresas, especialista em Gestão Estratégica Empresarial e especialista (MBA) em Logística e Distribuição. Possui experiência profissional na área logística de transportes, armazenagem e gestão de frota.

Website: http://www.logisticanapratica.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *