Transporte de Cargas: Frota Própria ou Terceirizada?

A análise dos modelos de transporte é fundamental para o embarcador otimizar seus resultados financeiros e operacionais. Ao encontrar o formato mais adequado de distribuição e entrega, a empresa passa a operar de maneira mais rentável, já que os custos logísticos (especialmente da atividade de Transporte) interferem diretamente na formação do preço de venda do produto.

Contudo, para estruturar esse processo de decisão, determinados fatores precisam estar bem definidos, principalmente com relação à estratégia de atuação da companhia e também quanto ao perfil da mercadoria que comercializa.

Na prática, empresas que trabalham com itens de alto valor agregado ou que precisam de algum acompanhamento técnico no momento da entrega, optam por operar com frota própria visando atingir padrões de segurança e qualidade que não seriam plenamente atendidos por uma transportadora.

Em situações como essa, os ganhos obtidos com o controle total da operação se sobrepõem aos custos decorrentes da estrutura própria disponibilizada para realizar a entrega. Ou seja, mesmo com potencial oportunidade de economia, o serviço não é terceirizado por colocar em risco as condições de atendimento.

Dentre os motivadores da decisão pela frota própria, destacam-se:

  • Redução do ciclo dos pedidos;
  • Capacidade de reação a demandas urgentes;
  • Proximidade e relacionamento com o cliente;
  • Confiabilidade, agilidade e autonomia na entrega.

Mas será que esses fatores realmente são mais relevantes do que todos os custos envolvidos?

Não há dúvida de que esta é uma resposta que depende de cada empresa e de suas operações, porém cabe ressaltar alguns itens que compõem os custos relativos à frota própria, tais como: combustível, manutenção, pneus, salários e encargos de motoristas/ajudantes, depreciação e seguro.

Outra questão importante a ser observada se refere ao custo de oportunidade, isto é, ao alocar capital na aquisição de um veículo abre-se mão do retorno financeiro gerado em aplicações alternativas, além das despesas decorrentes deste bem.

Considerando a extensa lista de gastos ligados à frota própria, a terceirização das entregas pode se mostrar uma alternativa viável.

Ao atribuir a distribuição da carga à transportadores selecionados, os resultados são percebidos sistematicamente.

Informações como previsibilidade de custos, maiores índices de eficiência e redução da estrutura e mão de obra são elementos fundamentais para uma gestão menos operacional e mais estratégica. Além disso, a fidelização do transportador pode representar uma vantagem nas negociações de frete.

Os principais pontos de atenção no formato terceirizado são a baixa autonomia na operacionalização da entrega, na disponibilidade de veículos e no controle do atendimento ao cliente.

Com relação aos custos de operação, após realizar os cálculos e encontrar a relação custo x benefício da frota própria, é possível compará-la à contratação de terceiros e então verificar qual modelo de transporte é mais favorável.

Tendo em vista o aspecto financeiro, as particularidades do negócio e as estratégias de cada empresa, a decisão por uma operação mista – composta por frota própria e terceirizada – pode atender muito bem as expectativas de custos e nível de serviço.

Esse artigo foi útil pra você? Deixe sua mensagem nos comentários!

Abraço!

Claudionei de Andrade

Claudionei de Andrade

Claudionei de Andrade - Instrutor na LNP Cursos Gerenciais. Graduado em Administração de Empresas, especialista em Gestão Estratégica Empresarial e especialista (MBA) em Logística e Distribuição. Possui experiência profissional na área logística de transportes, armazenagem e gestão de frota.

Website: http://www.logisticanapratica.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *